http://aprs.fi/ veja o site e procure o indicativo CU7AX http://srv1.intermar-ev.de/karte/karte.html http://www.findu.com/cgi-bin/winlink.cgi?call=CU7AX ver posição permanente do HEMINGWAY http://www.positionsreport.de/php/enterTrack.php?callSign=CU7AX
Sexta-feira, 21 de Março de 2008
ARTIGO DO SR. JOSÉ COSTA NO JORNAL DO PICO PROPRIEDADE DA RÁDIO CAIS SÃO ROQUE DO PICO - MARÇO 2008

Homens do Mar
Jornal do Pico - Março 2008

Temos seguido atentamente as diversas etapas do nosso velejador açoriano, picoense de nascimento, Genuíno Madruga na sua viagem à volta do mundo. Dá-nos um prazer imenso ler e reler o seu diário de bordo e as suas opiniões sobre os diversos lugares por onde tem passado. Só um homem como o Genuíno tem uma visão tão abrangente e vivaz sobre as pessoas e as terras já visitadas. Os pormenores que nos transmite, quer através do diário de bordo ou das entrevistas no programa da antena nove aos sábados, quer ainda das imagens que envia por e-mail elucidam-nos sobre todas as nuances da viagem. Desde os peixes apanhados nas primeiras etapas até às imagens captadas dum dos maiores pássaros do mundo, o albatroz, tudo nos faz chegar para que tenhamos um conhecimento perfeito do que se passa na viagem.

Pudemos acompanhar, quase em directo (só faltavam as imagens) a sua passagem pelo Cabo Horn, graças às tecnologias de comunicação existentes hoje, que nos permitem mesmo a esta distância mantermo-nos em contacto com o navegador.

Com este testemunho actual podemos ter uma ideia mais aproximada do que seria navegar nos mares da Patagónia há quinhentos anos, sem instrumentos fiáveis, com barcos de madeira frágeis, sem o auxílio dum motor, sem cartas de navegação, sem a ajuda do satélite, sem a companhia dos amigos através da rádio, telefone ou internet, enfim, sem nada.

Com esta proeza o Genuíno ajuda-nos a compreender a história da navegação e a história das descobertas, levadas a cabo por portugueses que, como ele, não se acomodaram no conforto dos seus lares mas partiram em busca do desconhecido, desafiando a natureza no seu âmago mais austero para que o mundo fosse conhecido por todos.

A têmpera dos homens do mar está entranhada no Genuíno. Tivesse ele vivido nos tempos áureos das descobertas e teria capitaneado uma das naus que levaram Vasco da Gama à Índia.

Rumando agora para a ilha de Páscoa depara-se pela frente 4000 milhas náuticas de Pacífico até às ilhas Marquesas na Polinésia. São mais de 6500 quilómetros em oceano aberto sujeito a grandes calmarias que foram há uns séculos um dos grandes inimigos dos navegadores.

Sempre tivemos uma grande admiração pelos “aventureiros”. Desde tenra idade e apesar da pouca comunicação com o mar devido à localização geográfica da freguesia onde fomos criados, sempre vimos com interesse os pequenos veleiros que cruzavam os mares da ilha das Flores em busca de porto seguro, depois de longos dias a atravessar o Atlântico. A principal rota das terras da América ou do Canadá para a Europa passa necessariamente pelas Flores, não fosse esta ilha a ponta mais Ocidental da Europa. Embora a maioria dos iates demandasse o porto da Horta, não raras vezes, para abastecimento ou para descanso a ilha das Flores apresentava-se como um oásis no meio do Atlântico.

Tivemos oportunidade de conhecer alguns “lobos-do-mar” mas houve um que nos impressionou duma forma especial: Já nos anos oitenta, estávamos em Santa Cruz, quando tivemos conhecimento dum solitário que demandava o porto para descanso e apressámo-nos a ajudá-lo a entrar no difícil porto das Poças. Deparámo-nos com um homem de cerca de sessenta anos, com um barco grande, não posso precisar o comprimento, mas seria um pouco maior que o Hemingway, com dois mastros. O skipper solitário, tinha uma particularidade, não tinha uma mão, provavelmente perdida em acidente do mar já que a sua profissão, da qual já se reformara, fora comandante da marinha mercante inglesa. Com uma habilidade indescritível, como pudemos observar posteriormente na viagem que com ele fizemos das Flores até ao Faial, o homem manejava todo o velame do barco apenas com uma mão. A viagem até à Horta demorou vinte cinco horas e foram seis os tripulantes a quem ele ofereceu o passeio. Da aventura, nunca nos esquecemos e do capitão apenas fixamos o seu primeiro nome: Jack.

José Costa

 In "Jornal do Pico"




publicado por www.youtube.com/malgatodemateus às 11:18
link do post | comentar | favorito
|

DESAPARECEU
pesquisar
 
Março 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Atenção às erupções solar...

GENUÍNO ALEXANDRE GOULART...

JESSICA WATSON AUSTRALIAN...

PRIMEIRO ANIVERSÁRIO DA C...

PRIMEIRO ANIVERSÁRIO DA C...

RÁDIO NACIONAL - RÁDIO PÚ...

COMO DAR A VOLTA AO MUNDO...

EDIÇÃO Nº.- 100 ÚLTIMO DA...

VELEIROS PARA VENDA http:...

VOLTA AO MUNDO CAPITÃO MA...

arquivos

Março 2015

Maio 2011

Junho 2010

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Hora dos Açores
CONTADOR DE VISITAS E PAISES

blogs SAPO
subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post